Pular para o conteúdo principal

Amor CU


autor desconhecido


- Dar o cu dói? Dói. Então é a mesma coisa... - Ah! Mas o que isso tem haver? Na hora que esta tudo dentro e em movimento esquecesse a dor. 

Será que e assim mesmo? O amor, esse sentimento medonho, contagioso, aidético é doloroso e prazeroso como dar o cu. Bem, ao menos quando se come um cu bem, a dor incomoda passa para a sensação de sentir o outro pulsando dentro da gente. Como se o coração estivesse ali, irrigando você de um algo muito maior que a dor. Mas o amor, o amor nem sempre traz isso, ele carrega uma paz e uma guerra que não conseguem uma trégua. Como conjugar e respeitar as escolhas d'outros se em nós os impérios devem se pacificar e sair de sua crise rotineira, para com pactos parcos estabelecer a paz no pós-guerra. Dar o cu é o pacto pós guerra. Deu o cu uma vez e gostou vai sempre querer dar de novo, ele vira a rendição do já rendido e do amor. Mas amar, bem, se amou uma vez gostou e doeu, bem ai não se tenta novamente.  Volto a pensar que o amor é fodido, e horas trancafia a gente na dor, horas deixa a gente tomar banho de sol no pátio. E na foda, na boa foda, se uma das partes tem amor, o maldito acaba pedindo carinho, acaba cobrando compromisso, cobrando assiduidade naquela vontade de repetir a dose de dor. A dor de amor, claro, com as merdas todas concentradas nos dramas do coração levam a se criar mais soldados e mais guerras dentro do diabo apaixonado do que no outro que o diabo ama. E aí se da o cu, se dá amor, se dá carinho e se explode. Explode em muitas coisas. Vira um carro desgovernado querendo andar a álcool e a gás ao mesmo tempo, calibrando e descalibrando a rapidez do vai e vem da dor. E nisso as dores divergem; a dor de amor e dor de dar o cu, pois um dói de permanecia e concretude o outro dói de gozo e suor. Mas ambas como uma mitocôndria desgovernada querem residir juntinhas, já que sé é dor que se torne prazer.

A dor de amor é sim a dor de dar o cu, só que dói mais fundo.

Comentários

  1. Isso me faz pensar como é bom viver sem, um que eu já conheço, e o outro que estou longe de ter curiosidade.
    Meus parabéns por sua poesia, análise, e desabafo sobre o amores e suas dores.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que no fim a gente experimenta, experimenta se deixar sentir o outro a dor do outro. Brigada pelo comentário

      Excluir
  2. VOCÊ NÃO É COMO UMA LAGARTIXA MAS ESCREVE MUITO BEM, LÍ MAS NÃO SOU DE DAR CÚ PREFIRO APANHAR, A ÚNICA COISA QUE NÃO GOSTEI É DA BUNDA DE UM MACHO VIRADA PRA MIM ISSO É BEM GAY !

    ResponderExcluir
  3. Ah..veja o meu blogue...
    www.alvordesnudo.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Seus textos mudaram um pouco mas continuas escrevendo muito bem como sempre... uma dia ainda compra um livro seu.

    ResponderExcluir
  5. Nada sei sobre da o cu mas sei sobre o amor...o amor deixa marcas!
    bj

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A Raposa

é agora que aparece a Raposa:
- “Bom dia, diz a raposa”.- Bom dia - responde polidamente o pequeno príncipe, que se vira, mas não vê nada.- eu estou aqui, diz a voz,...- quem é você? pergunta o pequeno príncipe. Você é bem bonita.- eu sou uma raposa, diz a raposa.- vem brincar comigo, lhe propõem o pequeno príncipe. Eu estou completamente triste...- Eu não posso brincar com você, diz a raposa. Eu não sou cativada.- ah! Desculpa, diz o pequeno príncipe. - “mas o que significa “cativar”?- Você não é daqui, diz a raposa. O que procura?- eu procuro os homens, diz o pequeno príncipe.-“mas o que significa “cativar”?- os homens, diz a raposa, eles têm os fuzis e eles caçam. E bem desagradável! Eles criam também galinhas. São seus únicos interesses. Você procura galinhas?- Não, diz o pequeno príncipe. Eu procuro amigos.- “mas o que significa “cativar”?- É uma coisa a muito esquecida, diz a raposa. Isso significa “criar laços...”.- Criar laços?- Claro, diz a raposa. Você não é para mim, mais qu…

Uma bruxa mora no meu quarto

Demorei a perceber que me drenava as alegrias e apenas me engordava de palavras doces. Com seus cabelos branco neve, sua vaidade exagerada e uma irritante mania de crer que o mundo está contra ela. Assim, acabei por amá-la.
Um erro poroso como sua pele, essa mesma pele que sempre salienta estar maltratada para explicar a vilania do mundo. No momento que abri a porta do quarto ela se instalou. Bem... falando desse modo, parece que a encontrei a beirada do portão implorando um prato de comida. Não foi assim!
Ela sempre esteve aqui, antes mesmo do meu nascimento. E hoje, creio apenas ter nascido para lhe ser útil. Mas, não vou fazer tantas digressões, vou voltar ao “fado”: Ela mora no meu quarto. E seu prato de comida hipotético são todos os meus sentimentos. Que com voracidade ela baqueteia-se até que eu esteja esquálida de um substrato primordial chamado AMOR.
Eu possuo, ela não!
Por isso, quando colérica me insulta, me espanca, me ameaça e eu, eu apenas paraliso. Seus cabelos viram uma ju…

GEORGINA

Sentada em uma estação de metrô, que descera por estar nervosa e confusa com seu caminho, ela observa com um olhar alheio os passantes. Um bebê que berra, uma mulher exageradamente maquiada, um vendedor de bala nervoso para a chegada da próxima composição – Não é permitido comercio no metrô, mas todos fazem!
Bastava apenas deixar o suspiro chegar e com ele o choro de seu desespero emergir. Bastava se entregar ao medo e a ansiedade que a consumia. Bastava... Mas, para ela não cabia o bastava e principalmente, não se permitiria sucumbir aos sentimentos estrangeiros que os caminhos errôneos nos sobrepõe.
De modo despretensioso, ela retira da bolsa o que a distingue dos outros passantes ou não, da estação. Ela pega seu batom cor amora e em um movimento preciso que diz ao mundo:
- Não estou perdida.
Ela passa-o nos lábios aquela cor frutada que diz muito sobre sua personalidade. Pois existe uma intenção que pessoa alguma pode captar e mulher alguma pode repetir.
Pintar os lábios de um carmesim …